LULA ESTÁ SEM MORAL NO RIO. OU: SUA CARAVANA FOI UM FIASCO TOTAL!

Passagem da Caravana do Lula por Belford Roxo, Campos dos Goytacazes (recepcionado na cidade com forte protesto), Magé, Itaboraí (Comperj), Maricá e Duque de Caxias – Fotos: Ricardo Stuckert, Adriano Vizoni (Folhapress) e Internet

Nunca antes o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva foi tão desprestigiado em suas andanças pelo Brasil como foi nos últimos dias em algumas cidades fluminenses por quais passou com sua Caravana pelo Rio. Protestos e público minguadíssimo marcaram sua passagem pelo Estado.

Nem mesmo, em Maricá, única cidade do Estado ainda governada por um petista, a passagem de Lula causou frisson por lá. A expectativa de Washington Quaquá, ex-prefeito da cidade e atual presidente do diretório estadual do PT, era botar 10 mil pessoas na praça para recepcioná-lo.

O máximo que conseguiu reunir foi um público estimado em 1,5 mil pessoas composto por servidores municipais e gente trazida de outras regiões.

Em outras cidades por onde Lula passou não foi diferente. O público pequeníssimo era também composto basicamente por militantes petistas e pelo pessoal da CUT e MST. Em Belford Roxo, por exemplo, havia apenas 400 militantes.

O fato é que, além de o deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) estar liderando as pesquisas presidenciais no Rio, a imagem de Lula está também fortemente ligada à corrupção na Petrobras, promovida em seu governo e o de sua sucessora e pupila, Dilma Rousseff.

O que dizer, por exemplo, do atual estado do Comperj? Que foi prometido por ele como o futuro Eldorado do Estado do Rio e que se encontra atualmente fechado por conta da roubalheira na Petrobras?

Aliás, na última quinta-feira (07/12), ele esteve na porta de entrada do fracassado Complexo Petroquímico. Diante de um público minguado de 200 pessoas, disse, ironicamente, que fez questão de passar por lá para fazer uma foto para mostrar o abandono do Comperj.

Fora isso, debochadamente, em suas andanças pelas cidades fluminenses culpou a Lava Jato pelas mazelas e falência do Rio. Só que o povo do Rio de Janeiro não é trouxa e sabe muito bem quem são os verdadeiros responsáveis pelo atual caos instalado em nosso Estado.

A verdade mesmo é que Lula está sem nenhuma moral no Rio. Tanto é que encerrou sua caravana em um local bem longe das ruas e dos protestos, com um ato realizado ontem (08/12) na concha acústica da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) – ambiente amigável lotado de militantes petistas e universitários esquerdistas.

Para quem está liderando as pesquisas presidenciais de 2018 e venceria a eleição em todos os cenários elaborados pelos institutos, o ideal era Lula ter encerrado sua caravana com um ato na Cinelândia, palco dos grandes eventos políticos no Rio. Só que não.

Apesar da alta popularidade apontada pelas pesquisas, Lula preferiu não se arriscar. Quis se poupar de passar por um enorme vexame na capital fluminense. Afinal, sua caravana pelo Estado do Rio foi fiasco total!

Leia também:

Lula encerra terceira etapa de caravana em clima morno no Rio

APÓS AMEAÇA DE BOLSONARO, GLOBO ESCANCARA “NEPOTISMO” DO DEPUTADO

Na tentativa de querer ampliar seus votos entre os que não se simpatizam com as Organizações Globo e para não deixar Lula monopolizar o discurso sobre a imprensa – o ex-presidente petista está prometendo, pela milésima vez, regular a mídia, caso consiga concorrer às eleições e seja eleito -, o polêmico deputado e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) disse essa semana que, em seu eventual governo, irá reduzir o máximo possível as verbas publicitárias para o grupo de comunicação dos Marinhos.

Pois bem. O troco veio à galope. O jornal O Globo escarafunchou o passado político do pré-candidato presidencial e publicou neste domingo (3) que Bolsonaro e seus filhos empregaram, nos últimos 20 anos, uma ex-mulher do parlamentar e dois parentes dela em cargos públicos em seus gabinetes.

Embora a matéria tenha ressaltado que esses casos não podem ser tecnicamente enquadrados como nepotismo, pois essas nomeações da família Bolsonaro ocorreram antes de 2008, ano em que a contratação de parentes foi normatizada por uma súmula do Supremo Tribunal Federal, o fato é que essa reportagem comprometeu o discurso do candidato sobre a sua propalada “pureza” no meio político.

Penso que Bolsonaro deveria ficar mais atento com relação às suas bravatas.

Outrossim, espero que O Globo não escarafunche apenas o passado político de Bolsonaro, por conta de uma ameaça.

Que o jornal traga também mais informações desconhecidas do público sobre os outros presidenciáveis. Os eleitores agradecem!

Veja AQUI a matéria do Globo desde domingo sobre o “nepotismo” da família Bolsonaro.

SERIA HUCK O SALVADOR DO ESTADO DO RIO?

Após causar reboliço no meio político, ameaçar as candidaturas de Lula e Bolsonaro e ver seu nome aprovado por 60% dos brasileiros, de acordo com pesquisa Ipsos, o apresentador Luciano Huck declarou em artigo publicado na edição desta segunda-feira (27), da Folha de São Paulo, que não será candidato à Presidência da República em 2018.

“Quem se interessa pelo que sou e faço pode acreditar: vou atuar cada vez mais, sempre de acordo com minhas crenças, em especial com a fé enorme que tenho neste país. Contem comigo. Mas não como candidato a presidente”, escreveu.

No entanto, parece que seu nome não será facilmente descartado como alternativa viável no campo desgastado da política tradicional.

Com a política fluminense em decadência – três ex-governadores presos e pretensos candidatos ao governo citados em casos de corrupção -, já há quem defenda o nome de Luciano Huck para governar o segundo Estado mais importante do país.

Muitos acreditam que Huck daria um novo rumo à desacreditada política fluminense.

Resta saber se ele toparia encarar essa empreitada. Aguardemos, pois, os próximos capítulos da novela “O fenômeno Huck”.

SERÁ HUCK O “SALVADOR DA PÁTRIA”?

De acordo com a pesquisa Barômetro Político Estadão-Ipsos, divulgada nesta quinta-feira (23/11), entre os 23 nomes apresentados aos entrevistadores, Luciano Huck foi o que teve a melhor avaliação. O apresentador global apresentou um salto de 17 pontos porcentuais desde setembro, passando de 43% para 60%. Já a desaprovação caiu de 40% para 32% no mesmo período.

Entretanto, vale ressaltar que a pesquisa Ipsos não é de intenção de voto. O que os pesquisadores dizem aos entrevistados é o seguinte: “Agora vou ler o nome de alguns políticos e gostaria de saber se o (a) senhor (a) aprova ou desaprova a maneira como eles vêm atuando no País”.

Huck não é político, mas diante da grande insatisfação do povo para com os políticos, ao que tudo indica, o apresentador do Caldeirão começa a ser visto como um “Salvador da Pátria”.

Confira nos gráficos abaixos da Pesquisa Ipsos, a avaliação dos 23 nomes apresentados aos entrevistadores:

Saiba mais sobre a pesquisa, clicando AQUI.

A IMPRENSA CONSEGUIRÁ DESTRUIR BOLSONARO?

Veja, de outubro passado, e última edição da revista Isto É

No mês passado, a Veja estampou em sua capa que o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é uma “ameaça”. Agora, foi a vez de a revista Isto É, em sua última edição, estampar na capa que o polêmico pré-candidato à Presidência da República representa um “perigo”.

Se Bolsonaro é um perigo ou não, a meu ver, a imprensa está fazendo o seu papel de informar ao público as ideias controversas do candidato. Afinal, vamos ter uma eleição presidencial no ano que vem. Penso ser importante sabermos tudo a respeito de todos os presidenciáveis.

Agora, se a intenção da imprensa é destruir a candidatura de Bolsonaro – vista até, há pouco tempo, como folclórica, mas que a cada dia fica mais evidente que uma eventual vitória do presidenciável é uma possibilidade real de acontecer -, resta saber se as redações dos grandes jornais e de revistas renomadas conseguirão miná-la.

Que a imprensa ainda tem poder, isso é inquestionável. Todavia, é fato, também, que a imprensa não tem mais o protagonismo do passado. Hoje, a internet promove o contraponto por meio de sites, blogs e redes sociais. Portanto, ficou mais difícil para a imprensa manipular os fatos.

Outrossim, que venham mais capas da Veja, Isto É, Época e matérias polêmicas de jornais sobre todos os presidenciáveis. Informação nunca é demais. E que o eleitor tire suas próprias conclusões.

BOLSONARO GANHARIA BRINCANDO DE LULA, MAS SERIA ‘ESMAGADO’ POR HUCK

Ex-presidente Lula, deputado Jair Bolsonaro e apresentador Luciano Huck – Fotos: Divulgação

Hoje, todas as pesquisas de intenção de votos mostram uma polarização entre o ex-presidente Lula (PT) e o deputado Jair Bolsonaro (PSC) na disputa presidencial de 2018.

Caso Lula consiga concorrer às eleições – vai depender de uma absolvição na segunda instância sobre o caso do tríplex do Guarujá – e dispute com Bolsonaro um eventual segundo turno, a expectativa é que o polêmico deputado ganhe brincando do petista nas urnas.

Para derrotar Lula – que foi denunciado pelo Ministério Público como ‘grande idealizador’ de uma organização criminosa que promoveu o escandaloso assalto à Petrobras, entre outras denúncias de corrupção que pesam contra ele -, a tendência é que 90% dos eleitores brasileiros votem em Bolsonaro contra o ex-presidente mais corrupto do país em todos os tempos.

Já em um cenário sem Lula, mas com Luciano Huck, a situação muda de figura. Segundo alguns analistas políticos, o apresentador da Globo tem um potencial gigantesco de atrair votos tanto dos ricos quanto dos pobres, tanto dos conservadores quanto dos liberais. Além de moderados de centro-esquerda.

E vale ressaltar que o mercado começa levar a sério uma eventual candidatura de Luciano Huck.

Consciente da ameaça de uma futura candidatura do apresentador do Caldeirão e para tentar acalmar o mercado e aos brasileiros, Bolsonaro tratou logo de divulgar uma carta à sociedade nos moldes da “Carta ao Povo Brasileiro”, de Lula, em 2002. Confira abaixo:

“Comunicado aos cidadãos do Brasil:

Nos últimos dias o Dr. Adolfo Sachsida foi apresentado pela imprensa como o “conselheiro” do deputado Jair Bolsonaro. Conforme nota já divulgada, houve sim conversas com o talentoso economista.

Também entendemos o interesse da sociedade pela equipe de acadêmicos e profissionais que estão integrando nosso time.

Nesse sentido, podemos antecipar que já contamos com um sólido grupo, composto por professores de algumas das melhores universidades do Brasil e da Europa. Indivíduos que são referência na academia, com vários papers publicados em revistas ranqueadas, com larga experiência profissional e sem máculas em seus respectivos históricos.

Evidentemente que nenhum dos membros de nossa equipe defende ideias heterodoxas ou apreço por regimes totalitários.

Sabemos que estamos lidando com a vida e o futuro de centenas de milhões de pessoas. Assim, afirmamos que, absolutamente, todas as propostas serão pautadas pelo respeito aos contratos, respeito às leis e pelo TOTAL respeito à Constituição Brasileira.

Um amplo trabalho vem sendo desenvolvido há alguns meses e já existiram dezenas de reuniões. Não se tratando de algo rápido ou superficial.

Sabemos do momento dramático pelo qual o Brasil atravessa e estamos cientes que o nome de Jair Bolsonaro representa esperança de dias melhores para mais de duzentos milhões de brasileiros. Todavia, pedimos um pouco mais de paciência a todos, para que tudo seja feito de forma profissional, séria e ética. Como sempre será feito!

Brasil acima de todos e Deus acima de tudo.”

BOLSONARO PASSA LULA NO RIO, MAS CANDIDATO PODE SE DERRETER EM 2018

Deputado Jair Bolsonaro e ex-presidente Lula – Fotos: Michel Filho/Agência O Globo e Divulgação

De acordo com levantamento da Orbe Pesquisa e Comunicação divulgado neste domingo (05/11) pela Coluna Informe, do jornal O Dia, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) já ultrapassou o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, no Rio de Janeiro.

Na simulação espontânea, Bolsonaro é citado por 19,1% dos entrevistados. Lula tem a preferência 18,9%. Em terceiro lugar, Marina é lembrada por apenas 3,2% das pessoas.

Essa liderança de Bolsonaro no Rio não chega a ser nenhuma novidade. Sua popularidade é visivelmente constatada no território fluminense, onde se ouve muito seu nome pelas ruas, bares, transportes coletivos, igrejas , entre outros locais. Vale destacar ainda que sua base eleitoral está fundamentada em nosso Estado.

No entanto, não se pode dizer que a situação do Bolsonaro é completamente favorável. Por enquanto, o cenário é de pré-campanha eleitoral. O bicho vai pegar mesmo é na campanha oficial.

Embora sua popularidade não para de crescer em todo o país, o pouco tempo de TV poderá derretê-la.

A Folha de São Paulo fez uma projeção sobre o tempo de televisão dos principais candidatos à Presidência em 2018. No caso de Bolsonaro, ele teria apenas 10 segundos em cada bloco – um à tarde e outro à noite, nas terças, quintas e sábados dos 37 dias que antecedem o 1º turno.

Como a campanha do ano que vem promete ser uma das mais agressivas de todos os tempos, Bolsonaro não terá tempo suficiente para se defender dos ataques na TV.

As redes sociais têm sido apontadas como alternativa para compensar o pouco tempo na TV. De fato, as redes sociais já provaram seu poder de fogo. Se Bolsonaro hoje tem toda essa força eleitoral é graças à mobilização de seus seguidores nas mídias sociais. Entretanto, a TV ainda tem muita importância e um poder de influência incomensurável.

Bolsonaro está agora entre a cruz e a espada. Vai ter que analisar muito bem se filia ou não à uma legenda nanica.