SERÁ QUE A IGREJA CATÓLICA LEU O MEU POST SOBRE REFORMA ESPIRITUAL?

“E Jesus, respondendo, disse-lhes: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus. E maravilharam-se dele.” Marcos 12:17

No post de ontem (16/12) sobre o envolvimento do nome do pastor Silas Malafaia na Operação Timóteo, que investiga a fraude em cobrança de royalties de minério, mencionei também o caso do padre Moacir, de Brasilia, citado na Lava Jato suspeito de ter usado sua paróquia para lavar dinheiro do ex-senador Gim Argello.

No final do texto, diante desses dois escândalos envolvendo líderes religiosos influentes, destaquei que o Brasil não vivencia somente uma crise política, mas também uma enorme crise espiritual. E então sugeri a necessidade de se fazer também no país uma reforma espiritual (ver aqui).

Pois bem. Não quero ser pretensioso de achar que a minha opinião começa a influenciar as instituições religiosas, mas vejam o post que O Antagonista publicou neste sábado (17/12) sobre uma medida que a Igreja Católica pretende adotar após o caso do pastor Silas Malafaia. Se não é ainda uma reforma espiritual, creio que pelo menos uma denominação religiosa começa a se preocupar com certas quantias relacionadas às doações.

Confira abaixo o post de O Antagonista sobre o assunto:
“A César o que é de César…”

A investigação em torno das suspeitas transações nas contas da paróquia do padre Moacir Anastácio (o padre de Gim Argello), em Brasília, e agora o envolvimento do pastor Silas Malafaia em acusações de lavagem de dinheiro despertaram, enfim, certa preocupação na cúpula da Igreja Católica, apurou O Antagonista.

Ainda não há uma ordem formal nem mesmo regras definidas, mas os bispos já começaram a orientar seus padres a terem o máximo de cautela diante de qualquer doação “acima da média”.

“Uma coisa é uma senhora doar 10 ou 20 mil reais para ajudar a instalar o ar-condicionado da igreja, por exemplo, como acontece com uma certa frequência. Outra coisa completamente diferente é um padre aceitar um depósito — ainda mais em sua conta pessoal — de quantias vultosas de quem quer que seja”, disse a este site um bispo católico.