COM 16% DE APROVAÇÃO, CRIVELLA VAI MAL NA COMUNICAÇÃO COM OS CARIOCAS

Prefeito Marcelo Crivella (PRB) – Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

Com uma vitória consagradora nas urnas – 59,36% contra 40,64% de Marcelo Freixo – , em apenas nove meses de governo, o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) teve uma queda significativa em relação à aprovação dos cariocas.

De acordo com Datafolha divulgado ontem (07/10), Crivella tem os seguintes percentuais de avaliação:

Ótimo/bom: 16%
Regular: 39%
Ruim/péssimo: 40%
Não sabe: 5%

Sem qualquer escândalo de corrupção ou outro fato gravíssimo que pudesse justificar essa queda na aprovação de Crivella, a meu ver, o prefeito está errando na comunicação. Ele não tem sabido se comunicar eficazmente com os cariocas.

É claro que não se pode comparar também o comportamento dele com o de Eduardo Paes. São personalidades completamente diferentes. No entanto, a impressão que temos é que Paes tinha mais energia carioca. Em tudo que fazia percebia-se sua louca paixão pelo Rio e uma vontade de fazer as coisas acontecerem.

Se não fossem os evangélicos, a aprovação de Crivella estaria ainda mais baixa. Contudo, o prefeito ainda tem três anos de governo pela frente. Há tempo para acertar onde está errando e mostrar que ama o Rio de verdade promovendo transformações significativas na cidade e aos cidadãos cariocas.

Melhores e piores prefeitos da história do Rio

A mesma pesquisa do Datafolha também aponta quem foi o melhor e o pior prefeito da história do Rio.

De acordo com as respostas dos entrevistados, Cesar Maia (DEM) e Eduardo Paes (PMDB) lideram a lista dos melhores, com 19% e 17%, respectivamente.

Já sobre o pior da história, Paes lidera neste quesito, com 15%. Em seguida, Crivella com 14%.

Pezão com aprovação de 3%

O levantamento do Datafolha também informa que o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) é aprovado por apenas 3% e desaprovado por 81%.

Na avaliação sobre o melhor governador da história do Rio, Leonel Brizola foi o nome mais citado, com 14%. O pior foi Sérgio Cabral (38%), seguido de Pezão (18%).

Fonte: Folha