A IMPRENSA CONSEGUIRÁ DESTRUIR BOLSONARO?

Veja, de outubro passado, e última edição da revista Isto É

No mês passado, a Veja estampou em sua capa que o deputado federal e presidenciável Jair Bolsonaro (PSC-RJ) é uma “ameaça”. Agora, foi a vez de a revista Isto É, em sua última edição, estampar na capa que o polêmico pré-candidato à Presidência da República representa um “perigo”.

Se Bolsonaro é um perigo ou não, a meu ver, a imprensa está fazendo o seu papel de informar ao público as ideias controversas do candidato. Afinal, vamos ter uma eleição presidencial no ano que vem. Penso ser importante sabermos tudo a respeito de todos os presidenciáveis.

Agora, se a intenção da imprensa é destruir a candidatura de Bolsonaro – vista até, há pouco tempo, como folclórica, mas que a cada dia fica mais evidente que uma eventual vitória do presidenciável é uma possibilidade real de acontecer -, resta saber se as redações dos grandes jornais e de revistas renomadas conseguirão miná-la.

Que a imprensa ainda tem poder, isso é inquestionável. Todavia, é fato, também, que a imprensa não tem mais o protagonismo do passado. Hoje, a internet promove o contraponto por meio de sites, blogs e redes sociais. Portanto, ficou mais difícil para a imprensa manipular os fatos.

Outrossim, que venham mais capas da Veja, Isto É, Época e matérias polêmicas de jornais sobre todos os presidenciáveis. Informação nunca é demais. E que o eleitor tire suas próprias conclusões.

ARTISTAS QUE SE CALARAM CONTRA CORRUPÇÃO DE LULA E DILMA LANÇAM VÍDEO PARA PRESSIONAR DEPUTADOS A VOTAR CONTRA TEMER

Cantores e alguns atores globais lançaram ontem (10/11) o site 342agora.org.br e um vídeo pedindo para que as pessoas pressionem 342 dos 513 deputados federais a votar a favor da denúncia de corrupção passiva contra o presidente Michel Temer no plenário da Câmara. 342 é o número necessário de votos para que Temer possa ser julgado e afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Nada contra a investigação da denúncia de corrupção envolvendo o presidente Temer, mas se tivéssemos visto engajamento parecido desses artistas na época do mensalão, do Petrolão e no processo de impeachment de Dilma, diria que esse movimento poderia até ser levado a sério.

No entanto, a meu ver, o posicionamento político atual desses artistas não passa de uma grande contradição oportunista. Parece mais um ato de apoio aos petistas. Algo surreal!

Assista abaixo ao vídeo 342 Agora: