PARA AJUDAR CIRO GOMES, PDT QUER RODRIGO NEVES PARA GOVERNADOR DO RIO

Ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, e prefeito de Niterói, Rodrigo Neves – Fotos: Divulgação

A estagnação do presidenciável Ciro Gomes nas pesquisas de intenção de votos – não sai da casa dos 5% – tem preocupado o PDT.

Para ajudar Ciro a se deslanchar, o partido brizolista pretende apostar suas fichas numa possível candidatura do prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV), ao governo do Rio.

O convite já foi feito, e Neves ficou de dar uma resposta até o final de outubro. Informa nota da Coluna Radar, da Veja.

Resta saber se Rodrigo Neves conseguirá alavancar Ciro Gomes. O grande problema do presidenciável pedetista é o seu comportamento político bipolar. Ora, parece ter encontrado o equilíbrio. Ora, parece, cada vez mais, fanfarrão e falastrão.

PEZÃO DESDENHA PESQUISA E DIZ QUE NÃO ESTÁ NEM AÍ PARA OS 81% QUE REPROVAM SEU GOVERNO

Governador Luiz Fernando Pezão – Foto: Divulgação

De acordo com pesquisa Datafolha divulgada no último sábado (07/10), o governo de Luiz Fernando Pezão (PMDB) é reprovado por 81% dos fluminenses. E só 3% o aprovam.

Mas o governador diz que não está nem aí para esses números:

“Não ligo para isso, pois não corro atrás de popularidade. Não serei mais candidato, então, não preciso disso. Nem me preocupo”, desdenha.

Ele afirma que só se preocupa em colocar em dia os salários dos funcionários e servidores, até o fim de seu mandato.

Mas independente de ser candidato ou não, o fato é que o governo de Pezão está com cara de que já acabou. Com o Estado mergulhado numa crise financeira sem igual, fracasso total na segurança pública e amargando uma rejeição de 81%, a impressão que temos é que não há mais nada do que esperar dessa gestão.

A não ser que aconteça um milagre, caso contrário, lamentavelmente, só nos resta mesmo assistir esse governo respirar por aparelhos até o dia 31 de dezembro de 2018.

COM 16% DE APROVAÇÃO, CRIVELLA VAI MAL NA COMUNICAÇÃO COM OS CARIOCAS

Prefeito Marcelo Crivella (PRB) – Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

Com uma vitória consagradora nas urnas – 59,36% contra 40,64% de Marcelo Freixo – , em apenas nove meses de governo, o prefeito do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) teve uma queda significativa em relação à aprovação dos cariocas.

De acordo com Datafolha divulgado ontem (07/10), Crivella tem os seguintes percentuais de avaliação:

Ótimo/bom: 16%
Regular: 39%
Ruim/péssimo: 40%
Não sabe: 5%

Sem qualquer escândalo de corrupção ou outro fato gravíssimo que pudesse justificar essa queda na aprovação de Crivella, a meu ver, o prefeito está errando na comunicação. Ele não tem sabido se comunicar eficazmente com os cariocas.

É claro que não se pode comparar também o comportamento dele com o de Eduardo Paes. São personalidades completamente diferentes. No entanto, a impressão que temos é que Paes tinha mais energia carioca. Em tudo que fazia percebia-se sua louca paixão pelo Rio e uma vontade de fazer as coisas acontecerem.

Se não fossem os evangélicos, a aprovação de Crivella estaria ainda mais baixa. Contudo, o prefeito ainda tem três anos de governo pela frente. Há tempo para acertar onde está errando e mostrar que ama o Rio de verdade promovendo transformações significativas na cidade e aos cidadãos cariocas.

Melhores e piores prefeitos da história do Rio

A mesma pesquisa do Datafolha também aponta quem foi o melhor e o pior prefeito da história do Rio.

De acordo com as respostas dos entrevistados, Cesar Maia (DEM) e Eduardo Paes (PMDB) lideram a lista dos melhores, com 19% e 17%, respectivamente.

Já sobre o pior da história, Paes lidera neste quesito, com 15%. Em seguida, Crivella com 14%.

Pezão com aprovação de 3%

O levantamento do Datafolha também informa que o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) é aprovado por apenas 3% e desaprovado por 81%.

Na avaliação sobre o melhor governador da história do Rio, Leonel Brizola foi o nome mais citado, com 14%. O pior foi Sérgio Cabral (38%), seguido de Pezão (18%).

Fonte: Folha

LULA FICA PUTO AO SABER QUE 54% O QUEREM PRESO

Ex-presidente Lula – Foto: AP / Andre Penner

O ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva está revoltado com o resultado da pesquisa Datafolha, que apontou que 54% dos brasileiros o querem ver atrás das grades.

Em evento ontem (1/10) no Rio, o político que se autointitula a “alma mais honesta do país” contestou os dados do Datafolha, o mesmo instituto que divulgou no último sábado (30/09) a liderança do petista na disputa presidencial de 2018, com 35%.

“Hoje, fiquei estarrecido. A Folha de S.Paulo faz uma pergunta com a seguinte frase: Você acha que o Lula deve ser preso em função das denúncias da Lava Jato? E 56% dizem que eu deveria ser preso. A pergunta não é essa. A Polícia Federal mente quando faz inquérito, o Ministério Público mente quando faz denúncia e o senhor Moro não deveria aceitar. Mas como está predestinado a não deixar Lula voltar, vai aceitar todas as mentiras.”, contestou.

“Todo dia eles me prendem, todo dia inventam um crime que eu não cometi”, afirmou o virtual candidato do PT à Presidência do Brasil.

Não resta a menor dúvida de que uma grande parcela da população brasileira gostaria de ver Lula na cadeia. Só mesmo os seguidores fanáticos da seita petista é que acreditam que Lula seja um verdadeiro santo.

Todavia, é fato que a pesquisa do Datafolha chama a atenção pelas contradições.

Como é que Lula pode liderar as intenções de voto e vencer todos os seus adversários se 54% dos entrevistados querem vê-lo preso e 87% querem um candidato com passado limpo, sem qualquer envolvimento com corrupção?

Que eu saiba, Lula não é um candidato com passado limpo. Ou será que a Justiça está cometendo uma grande heresia contra o santo homem do PT?

Tirem suas próprias conclusões.

54% QUEREM LULA ATRÁS DAS GRADES. OU: O PETISTA PODE ESQUECER SEU RETORNO À PRESIDÊNCIA

Datafolha, o mesmo instituto de pesquisa que divulgou ontem (1/10) o crescimento e a liderança do ex-presidente Lula na disputa presidencial de 2018, divulgou nesta segunda-feira que 54% dos brasileiros querem ver o petista atrás das grades.

Com isso, podemos concluir que Lula jamais será novamente presidente do Brasil.

Mesmo que ele venha ser absolvido em segunda instância, no caso do tríplex do Guarujá, o ex-presidente ainda é réu em outros cinco processos. Ou seja, Lula sempre estará na mente desses 54% como um político merecedor da cadeia. E é fato que ninguém consegue se eleger com mais de 40% de rejeição.

A pesquisa do Datafolha também registrou que 89% dos entrevistados querem que a Câmara dos Deputados dê prosseguimento à denúncia por organização criminosa e obstrução de Justiça contra o presidente Michel Temer, no Supremo Tribunal Federal (STF).

Confira mais detalhes da pesquisa AQUI.

NEM LULA NEM BOLSONARO: OS PREFERIDOS DOS ELEITORES SÃO BARBOSA E HUCK, DIZ PESQUISA

Joaquim Barbosa e Luciano Huck são os nomes fora da política que estão liderando a preferência dos eleitores – Fotos: Divulgação

De acordo com dados da pesquisa do instituto Ideia Big Data divulgado pela coluna Radar, na última sexta-feira (29/09), Joaquim Barbosa (34%) e Luciano Huck (31%) são os candidatos preferidos dos eleitores para a Presidência do Brasil, nas eleições de 2018.

Embora a liderança dos dois nessa pesquisa esteja relacionada à pergunta referente a nomes fora da política, não deixa ser curioso saber que nem Lula nem Bolsonaro tem encabeçado totalmente a preferência dos eleitores, como algumas pesquisas vem apontando.

O fato é que até outubro de 2018 tem muita água pra rolar debaixo da ponte.

AS PESQUISAS DIZEM A VERDADE SOBRE A REJEIÇÃO DE TEMER?

Silêncio das ruas revela que o presidente Temer não é tão rejeitado como mostram as pesquisas – Fotos: Internet (divulgação)

O dia 2 de agosto de 2017 – votação na Câmara que arquivou a denúncia de corrupção contra Temer – vai entrar para a história do país como a data mais controversa da política brasileira.

A julgar pelos diversos institutos de pesquisas que apontavam até então Michel Temer como o presidente mais rejeitado e impopular do Brasil, o que vímos na última quarta-feira foi uma enorme contradição entre o que as pesquisas mostram e a reação do povo nas ruas.

A pergunta que não quer calar é: se Temer é o presidente mais rejeitado do país como dizem as pesquisas por que, então, ninguém foi às ruas no dia considerado decisivo para pressionar a Câmara a votar contra ele?

Vale destacar que não só o POVO, como também o PT, PSOL, CUT, MST e outros movimentos sociais e esquerdistas não foram às ruas para se manifestar contra o presidente. Nem mesmo, lá em Brasília, em frente ao Congresso, houve protesto.

O que se viu no dia 02 de agosto de 2017 foi um silêncio ensurdecedor em todo o país.

Com isso, as pesquisas sobre a rejeição do presidente foram colocadas em xeque. Das duas, uma: ou as pesquisas erraram feio ou Temer “comprou” a nação inteira. Tirem suas próprias conclusões.